Integração do conceito Kanban com o MRP II

De um lado, existe o MRP-II que é, normalmente, um módulo do ERP que faz o controle das ordens de produção e das movimentações junto às demais áreas da empresa. Do outro, existe o kanban, que é uma metodologia muito utilizada para que o chão de fábrica seja gerido de forma mais visual. Acontece que, na maioria dos casos, essas soluções não se integram e essa falta de comunicação pode gerar alguns problemas.

O conceito de MRP II nasceu como uma evolução natural do antigo planejamento das necessidades de materiais, ou MRP (Material Requirements Planning), desenvolvido no final da década de 1960.

De um elegante processo de cálculo de demandas líquidas, partindo das necessidades de mercado, explodindo as estruturas de produto, descontando os estoques e gerando Ordens de Produção e Compras, o MRP logo acabou incorporando toda a dinâmica de administração necessária à essas ordens, desde a criação, liberação, impressão, programação, movimentação, execução até o encerramento, tanto físico quanto contábil.

Desta forma, já neste ciclo fechado conhecido como MRP II (Manufacturing Resources Planning), a ‘figura’ da Ordem de Produção se imortalizou, fundindo-se tão profundamente ao conceito MRP, que hoje torna-se virtualmente impossível encontrarmos algum sistema de ERP de mercado que não possua em suas raízes o conceito de Ordem de Produção como o principal evento que planeja, programa e controla todo o processo produtivo e contábil do chão de fábrica.

O Conceito Kanban

Por sua vez, o Kanban se desenvolveu ao longo dos últimos sessenta anos e se solidificou como uma técnica de planejamento, programação e controle da produção, dentro de uma filosofia muito mais abrangente e com diversas outras técnicas, conhecida como Lean Production. Dentro do Lean, o kanban pode ser entendido como o evento que dispara a produção no momento necessário e na quantidade necessária em função do consumo real e, garante a reposição num ciclo que ocorre indefinidamente enquanto houver demanda para o Item. O mecanismo de acionamento e controle é totalmente visual e se baseia em cartões físicos com quantidades pré definidas.

Neste momento, o leitor poderá estar se perguntando: se o cartão Kanban e a Ordem de Produção, representam ‘eventos’ de produção e ações que autorizam a fábrica a produzir, qual a real diferença entre elas?

Kanban e Ordens de Produção – A diferença

Em linhas gerais podemos dizer que a ordem de produção é a espinha dorsal dos módulos industriais dos ERP’s, o elemento chave para a criação do plano de produção, o documento através do qual se efetua grande parte dos movimentos de estoque, apontamentos e, consequentemente, apuração dos custos industriais.

Não há como existir um sistema MRP II sem o conceito da ordem de produção. Mesmo aqueles que incorporam ou clamam pela existência de módulos de “produção repetitiva” possuem, no final das contas, a figura da ordem, quer seja ordem repetitiva, ordem mensal para efeitos de apontamento, etc.

Já o kanban é o controle visual da produção e dos níveis de estoque sem que haja necessariamente um compromisso com o registro sistêmico dos movimentos de materiais e apontamentos de produção, o que origina um senso comum relacionado à perda de controle dos estoques. Cria-se a impressão de que os itens controlados por kanban representam uma “caixa preta” do ponto de vista de sistema, itens “fantasmas” possuindo apenas controles físicos e visuais.

Kanban e Ordens de Produção – A Integração

Por essas diferenças conceituais, formou-se a percepção de que a integração do conceito Kanban com o MRP II ou, pelo menos a coexistência entre as duas entidades fosse extremamente complexa.

O que encontramos na maioria das situações práticas de implementação do Kanban é uma divisão, o grupo da fábrica, aderente ao conceito Lean de simplicidade e controles visuais, e o grupo de controladoria e sistemas, reiterando a necessidade dos controles de estoque e da existência da ordem de produção.

O desafio está, então, em encontrar a forma de integrar o Kanban com a Ordem de Produção de forma que haja uma existência pacífica entre eles.

A Linter entendeu esse funcionamento e oferece os módulos do Drummer e-Kanban e Drummer MRP de forma integrada para as indústrias que trabalham com os dois conceitos.

Para entender como resolvemos essa questão, convidamos você a assistir gratuitamente a apresentação do webinar sobre “Integração do módulo MRP-II com o kanban”.